20130821

A vida e a missão do Kherygmma: JUAI e o Rebanhão I

Enfim o tão aguardado ano 2000 chegou e com ele um total descaso em relação a Pastoral da Juventude em Caiana, não era fácil convencer os jovens a participarem das reuniões pois eles não gostavam do modelo adotado desde sempre nas reuniões para as discussões semanais, os jovens queriam ser atuantes  na Igreja, mas ser atuantes de uma forma diferente dos exemplos que observávamos na região, para Caiana esse modelo revolucionário e  esquerdista não se enquadraria jamais pois os poucos membros que ainda estavam no JUAI eram de direita, conservadores e ainda faziam parte do Apostolado da Oração e/ou Legião de Maria, portanto bem longe de influências de teologias libertarias que já naquela época tomava conta da Pastoral da Juventude.

O beato João Paulo II havia escolhido para lema do Jubileu do ano 2000 a frase dita por Jesus aos discípulos: "Avancem para águas mas profundas" e foi isso que  bateu forte no coração do coordenador na época Mauricio e do  Luiz que havia saído da coordenação mais ainda  dava boas opiniões  e ajudava a muito na busca por uma solução que agradasse aos jovens e os trouxesse de novo para a Igreja, em uma demorada conversa na casa do Mauricio ficou decidido que para o ano de 2001 iriam em busca da realização de um evento de grande porte como realizado em várias cidades do Brasil chamado Rebanhão, era uma atitude ousada e acima de tudo uma tentativa de trazer os jovens para a igreja e consequentemente para a PJ.

Porém eles não tinham a experiência em grandes eventos e nem mesmo saberiam como começar a programar esse, foi ai que  decidiram chamar alguns jovens que estavam fora da Igreja para algumas reuniões e explicaram a eles  o projeto Rebanhão e  convidá-los  para se unirem a eles e juntos tornar o projeto possível já em Abril de 2001 a essa altura o ano 2000 já chegava no mês de Novembro e a cada dia tudo ficava mais complicado pois o tempo é sempre uma  arma da boa organização e tempo era o que eles menos tinham.

Os jovens atenderam ao chamado e depois de uma tarde de retiro em uma fazenda  com mais de 50 jovens  foram decididos os primeiros passos daquilo que seria o evento e sem perder tempo foram a luta, contaram  com a ajuda dos Padres de um seminarista da cidade, do Apostolado da Oração e da Legião de Maria. O evento  teve também a ajuda de evangélicos e de toda a cidade que se mobilizou por aquilo que era um sonho impossível dias antes e que estava se tronando agora realidade  pelas mãos de toda uma comunidade.

Muitas outras reuniões foram realizadas e o numero de jovens começou a aumentar e todos com a vontade de fazer parte do Projeto: Rebanhão vida sim drogas não! [Usando para o evento o mesmo tema da Campanha da Fraternidade 2001], a cada reunião novas ideias surgiam e novos momentos eram acrescentados no evento que já tinha no final de 2000 seis bandas confirmadas e mais duas  esperando uma chance para entrar na programação oficial.

Passaram rápido aqueles meses, muito rápido de fato e quando menos esperávamos lá estávamos na Escola Estadual Prefeito Jayme Toledo  em uma tarde de Domingo junto com  cerca de  3 mil Jovens [a população da cidade gira em torno de 6 mil habitantes] 6 bandas se apresentaram no palco principal, que também teve palestras, encontros com jovens de toda a Paroquia de São Sebastião, a missão foi dada como cumprida quando as pessoas começaram a nos perguntar quando aconteceria o próximo evento? ainda nos bastidores do I Rebanhão  os coordenadores Mauricio e Luiz  assentaram as bases daquilo que viria a ser o II Rebanhão em 2002.

Nos Sábados que seguiram a Pastoral da Juventude recebeu uma enxurrada de jovens e chegando a ter em reuniões cerca de 70, 80 jovens, o conteúdo das reuniões foi definido com a ajuda de todos  sendo bem diferente daqueles que os demais grupos utilizavam como subsídios os afastando ainda mais  daquela visão errônea da doutrina social da Igreja  muito comum até os dias de hoje.

Essa foi a causa do crescimento do JUAI pós Rebanhão, mas todo esse crescimento dispertou alguns posicionamentos contrários daqueles que defendiam que o JUAI deveria estar unido a essas ideologias, ideologias essas condenadas pela Igreja através da palavra de 4 Papas, no JUAI não havia  espaço para pensamentos revolucionários, não nos vestíamos camisas vermelhas do Chê e nem tinhamos como cor base de nossa bandeira a cor vermelha. Isso incomodou, isso fez com que alguns poucos nos vissem como inimigos e começaram a arquitetar ali o declínio do projeto Rebanhão, não sabendo eles que tais atitudes sepultariam de uma vez por todas a Pastoral da Juventude em Caiana e pelas mãos dessas pessoas um grupo de 14 anos de existência caminhava a passos largos para o fim.

E como seria o II Rebanhão? vamos descobrir no próximo número da série: A vida e a missão do Kherygmma.

Em Cristo
Equipe Católics Nerds
Compartilhar:

0 comentários:

Postar um comentário