20131006

Série JMJ I - Como tudo começou

No início de 1983, João Paulo II encarrega o Pontifício Conselho para os leigos de promover um grande encontro da juventude de todo o mundo, por ocasião do Jubileu extraordinário da Redenção. Constitui-se um comitê organizador e, quase de surpresa, em 22 de maio de 1983, foi o próprio Pontífice que convidou, pela primeira vez, os jovens a Roma.

A resposta é superior a toda expectativa.


Em 12 de abril de 1984, na abertura do Jubileu, uma procissão de velas de 60 mil jovens percorre a Via da Conciliação para depois fluir na Praça São Pedro. No Domingo de Ramos - 15 de abril, a participação supera toda previsão possível. Dos 60 mil jovens de quinta feira se chega a 300 mil, aos quais o Papa grita: "Eliminai o mal. Reagi à cultura da morte. Escolhei a vida".

Roma, 15 de abril de 1984. Mais de 300 mil jovens do mundo inteiro responderam ao convite. O anfitrião, Karol Wojtyla, os havia chamado para o “Jubileu Internacional da Juventude”, no Domingo de Ramos. O evento teve uma acolhida impressionante e, nas vésperas do Domingo de Ramos de 1984, ele se direciona aos jovens: “Que espetáculo tão magnífico ofereceis, vistos desde este palco. Quem disse que a juventude de hoje não se interessa pelos valores?”.

Em 1984, durante o encerramento do Jubileu da Redenção, uma cruz diferente se destacou ao lado do altar principal da Basílica de São Pedro. Foi o Papa João Paulo II que a quis ali, para que todos pudessem vê-la. Trata-se de uma cruz de madeira, medindo 3, 80 metros de altura, que foi entregue aos jovens logo após o Papa fechar a porta santa do jubileu daquele ano.

Ela é conhecida como a “Cruz do Ano Santo”, a “Cruz do Jubileu”, a “Cruz da Jornada Mundial da Juventude”, mas muitos a chamam de “A Cruz dos Jovens”, porque lhes foi dada para que a levassem a todo o mundo, em cada local e em cada tempo, atravessando gerações, fronteiras e limites geográficos, políticos e de fé, proporcionando a muitos jovens um encontro pessoal com Cristo.

Ao entregá-la aos jovens do Centro Juvenil Internacional São Lourenço, de Roma, João Paulo II pronunciou estas palavras:

“Meus queridos jovens, na conclusão do Ano Santo, eu confio a vocês o sinal deste Ano Jubilar: a Cruz de Cristo! Carreguem-na pelo mundo como um símbolo do amor de Cristo pela humanidade, e anunciem a todos que somente na morte e ressurreição de Cristo podemos encontrar a salvação e a redenção”.



Por: Michele Carvalho
Compartilhar:

Um comentário: