20140108

Memórias de um Ex-Apóstata IV

Pouco menos de uma semana eu já havia lido todo o pentateuco. Também havia lido o Principe de Maquiável e acabei lendo também algumas partes do livro do Sergei Tokarev. Eu tinha uma sensação estranha, daquelas que você mesmo se comprometendo a ler um livro, você sabia que deveria parar e analisar algumas coisas? Pois bem, foi o que eu fiz.

O grande motivo de pensar no que eu estava fazendo é que faltava algo, uma motivação inerente ao conhecimento. O pentateuco é formado por cinco livros, os mesmos que formam o Torá: Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio. E eu fiz a seguinte análise básica sobre eles:

Gênesis – O primeiro livro é a cosmogonia de Deus, que inclusive muitos autores relatam como um fragmento da mitologia judaica. Contudo, eu discordo porque citar um livro como mitológico traz questionamentos sobre a integridade de um relato. Este é um dos cinco livros atribuídos por moisés. É o princípio e criação de tudo.

Êxodo – É o segundo livro, onde se trata de uma “narrativa” da saída do povo de Israel do Egito, abordando a vida e obra de Moisés diante de seu povo, mostrando que Deus e o povo dele tinham um bom entrosamento. É a organização do judaísmo, onde emanam as primeiras leis.

Levíticos – Um livro legislativo e ritualístico. É um livro de teocracia.

Números – É o livro de dados da rota dos israelitas no deserto e de sua jornada.

Deuteronômio – Os discursos de Moisés, ao povo, durante sua jornada a Terra Prometida. Como segue no significado da palavra: trata-se de uma repetição da Lei vista nos livros anteriores e repetidas para a geração subsequente que fossem viver pela Terra Prometida.

Sim, são pequenas sínteses sobre o que eu li. Mas eu não iria divagar sozinho sobre o assunto. Pois era algo que eu percebi que não havia conhecido 1% no catecismo conforme eu imaginaria que fosse, por isso que essa confusão que tive na minha cabeça foi ganhando aderência. Eu simplesmente não tive como lidar na época em questão. Meu pai conversava comigo sobre o assunto, mas não tinha o mesmo tempo que ele gostaria de ter para falar sobre. Seminarista de outrora, este teólogo sempre teve muito interesse em limar todas as dúvidas que eu tinha, mas nem tudo foi feito como deveria ter sido.

E ao mesmo tempo, as leituras sobre outras religiões me foram muito interessantes para poder cancelar o interesse sobre as mesmas, ainda que tivessem havido muitas que eu me aprofundei para compreender melhor o trabalho teórico e prático de cada uma.

Por: Leon Bravo
Compartilhar:

0 comentários:

Postar um comentário