20140205

A Filosofia Grega e a Tradição Cristã

A Filosofia Grega e a Tradição Cristã

Olá caríssimos Nerds, estamos inaugurando hoje as postagens sobre Filosofia e Cristianismo aqui no Católic Nerds e esperamos que estes artigos contribuam de alguma forma para que você tenha uma formação mais abrangente, naquilo que diz respeito às razões de nossa fé católica. “Estai sempre prontos a responder para vossa defesa a todo aquele que vos pedir a razão da vossa esperança” (I Pe. 3, 15).




Iniciemos então com uma pequena apresentação da relação entre a Filosofia Grega e a Tradição Cristã. Tudo de forma bastante introdutória apenas para gerar em cada um de vocês a vontade de acompanhar as postagens e de relacioná-las com suas pesquisas pessoais acerca do assunto. Ao final deste artigo já deixaremos uma dica de leitura indispensável para todos que queiram se aprofundar nas questões de fé e razão.




Filosofia e as ideias bíblicas



A Filosofia, como termo ou conceito, surgiu na Grécia por volta das últimas décadas do século VII a.C e é considerada pela quase totalidade dos estudiosos como criação própria do gênio helênico. Como muitos de vocês já devem saber, o termo “filosofia” significa “amor pela sabedoria”. Deste modo, a filosofia seria uma atividade propriamente humana, pois a sabedoria, no sentido de posse certa e total do verdadeiro, seria algo destinado apenas aos deuses. Em outras palavras, aos homens caberia apenas uma tendência à “sofia”, uma contínua aproximação do verdadeiro, ou ainda, um amor ao saber nunca totalmente saciado.




Dito isto, percebemos de imediato que alguém interessado em filosofar, é alguém que tem uma profunda abertura à reflexão, e não apenas isso, mas uma abertura a reflexão sistemática, racional e motivada pela lógica. A filosofia quer explicar a totalidade das coisas, ou seja, toda a realidade, sem exclusão de parte alguma. Assim, até aquele que queira negar a importância da filosofia deve fazer isso filosofando, como o próprio Aristóteles já dizia: "Se se deve filosofar, deve-se filosofar e, se não se deve filosofar, deve-se filosofar; de todos os modos, portanto, se deve filosofar".




Os primeiros cristãos que entraram em contato com a filosofia grega passaram sistematicamente então a buscar as razões racionais para justificar a sua fé, porém o choque dessas duas culturas (a grega e a cristã) ocasionaria mudanças importantíssimas em nossa cultura ocidental, pois várias ideias bíblicas se sobressaíram às concepções gregas de mundo. Obviamente, quando falamos de cultura cristã também estamos abrangendo a bagagem judaica. Deste modo é que podemos falar de uma cultura judaico-cristã, e é justamente ela que precisamos defender nos dias atuais. Segundo os historiadores da filosofia Geovanni Reale e Dario Antiseri, as ideias bíblicas que influíram sobre o pensamento ocidental são:



1 .      Passagem do politeísmo grego ao monoteísmo cristão

2 .      A criação a partir do nada

3 .      A concepção antropocêntrica contida na Bíblia

4 .      O respeito pelos mandamentos divinos: a virtude e o pecado

5 .      O conceito de providencia na Bíblia

6 .      A desobediência a Deus resgatada pela paixão de Cristo

7 .      O valor da fé e a participação no Divino

8 .      O “Eros” grego, o amor (“ágape”) cristão e a graça

9 .      Os valores fundamentais do cristianismo: a pureza e a humildade

10.  A ressurreição dos mortos

 

Explanaremos de forma sistemática cada um desses tópicos ao longo deste ano, porém estaremos abertos a comentar outros temas filosóficos quando necessário. Acredito, contudo, que só esta pequena parte do assunto apresentada neste texto já dá pra filosofar bastante. Aguardem as próximas, pois estes temas são essenciais! Também queremos indicar logo de cara a leitura da Carta Encíclica Fides et Ratio do Sumo Pontífice João Paulo II. Se você ainda não leu, corra e vá ler!


(http://www.vatican.va/holy_father/john_paul_ii/encyclicals/documents/hf_jp-ii_enc_14091998_fides-et-ratio_po.html)




Abaixo deixo dois trechos da encíclica que com certeza lhe motivarão na descoberta da filosofia quando relacionada às questões de fé:


“A fé e a razão (fides et ratio) constituem como que as duas asas pelas quais o espírito humano se eleva para a contemplação da verdade. Foi Deus quem colocou no coração do homem o desejo de conhecer a verdade e, em última análise, de O conhecer a Ele, para que, conhecendo-O e amando-O, possa chegar também à verdade plena sobre si próprio (cf. Ex 33, 18; Sal 2726, 8-9; 6362, 2-3; Jo 14, 8; 1 Jo 3, 2)”.




“5. A Igreja, por sua vez, não pode deixar de apreciar o esforço da razão na consecução de objectivos que tornem cada vez mais digna a existência pessoal. Na verdade, ela vê, na filosofia, o caminho para conhecer verdades fundamentais relativas à existência do homem. Ao mesmo tempo, considera a filosofia uma ajuda indispensável para aprofundar a compreensão da fé e comunicar a verdade do Evangelho a quantos não a conhecem ainda”.



 

Por: Anderson Santos

        Filósofo e idealizador do Catholic Nerds Recife PE

 

REFERÊNCIAS


Bíblia Sagrada. 150º Edição. Editora Ave-Maria: São Paulo, 2002.

Catecismo da Igreja Católica: edição típica Vaticana. Edições Loyola, São Paulo: 2000.

JOÃO PAULO II, Carta Enc. Fides et ratio. 14 de setembro de 1998.

REALE, Giovanni. ANTISERI, Dario. História da Filosofia: Filosofia pagã antiga. 2ª. ed. Trad. Ivo. Storniolo. Rev. Zolferino Tonon. São Paulo: Paulus, 2004.

História da Filosofia: Patrística e Escolástica. 2ª. ed. Trad. Ivo. Storniolo. Rev. Zolferino Tonon. São Paulo: Paulus, 2004.
Compartilhar:

Um comentário:

  1. NvcmNU ficzunfbzxsa, [url=http://qcmwqdrvxfvo.com/]qcmwqdrvxfvo[/url], [link=http://yunnknlaqpgg.com/]yunnknlaqpgg[/link], http://imajeautkkdo.com/

    ResponderExcluir