20150316

A oração - São João da Cruz

sao_joao_da_cruz1 Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo e Sua Mãe Maria Santíssima!


 Gostaria de trazer aqui para todos uma reflexão sobre Oração. Resolvi me basear em São João da Cruz, Doutor da Igreja.


 Assim nos escreve o Santo na Subida do Monte Carmelo, um dos seus livros:


 "Para chegares a saborear tudo,


Não queiras ter gosto em coisa alguma.


Para chegares a possuir tudo,


Não queiras possuir coisa alguma."


Vivemos em uma sociedade onde se busca o prazer a qualquer custo. As pessoas fogem do sofrimento - literalmente - como o diabo foge da cruz.  As pessoas querem satisfação na vida, mas não querem se sacrificar para obtê-lo. Por isso se procura o prazer imediato, que uma vez desfrutado, costuma deixar as pessoas mais vazias do que antes. No Evangelho, Nosso Senhor diz: "Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome sua cruz e me siga" Ainda: "Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta e espaçoso o caminho que conduz á perdição e muitos são os que andam por eles. Estreita, porém, é a porta e apertado o caminho que conduz á vida, e poucos o encontram"


Lamentavelmente, essa mentalidade também chegou a Igreja. Pessoas, pregam o evangelho como uma busca de ter satisfação, e uma fuga do sofrimento.  No entanto, o Evangelho não deve ser uma fuga do sofrimento. Ele vem na verdade dar sentido ao sofrimento. Deus muitas vezes os alivia e até tira para nós, mas eles são necessários para o nosso desenvolvimento espiritual. Os Apóstolos dizem nos Atos dos Apóstolos 14,12: “É preciso passar por tribulações para entrar no Reino de Deus.” Logo, sofrer faz parte da vida do verdadeiro Cristão.


Na vida de Oração sobretudo, não devemos viver em busca de sensações ou gozos espirituais. São João da Cruz fala muito sobre isso... As pessoas estão buscando a Oração para “se sentir bem”, quando na verdade, Deus não é um sentimento.  O Santo chega a nos dizer que as visualizações, gozos, e sentimentos na Oração não são Deus em sua Essência e não têm relação alguma com ele. (Conf Cântico Espiritual Cânção 1, 3 e 4 ). Muitas vezes podemos não nos “sentir” bem na Oração. Ou até na Igreja, na hora da Missa ou qualquer encontro ou formação. E olha que aqui não falo de problemas de saúde, ou relativos a tempo (frio ou quente demais), estou falando simplesmente de uma “secura” espiritual, mas isso não quer dizer que Deus nos falta. Podem ser apenas nossas fraquezas e limites humanos. Nossa vontade corrompida pelo pecado e relaxamento em nossa vida espiritual brigando contra a Vontade de Deus. Como diz a Imitação de Cristo, “a maior de todas as virtudes é vencer-se a si próprio”. Deus não nos falta quando não o sentimos. Em uma oração, Sto. Anselmo de Cantuária, chega á conclusão que os sua alma não vê mais em Deus por causa de suas próprias trevas, pois elas em Deus não existem.(1Jo 1,5).


Renunciar á sua própria vontade, desapegar-se das coisas que passsam. Aproveitar cada momento de contrariedade para na humildade, a exemplo da Santíssima Virgem, exercitar-se na obediência e submissão á Divina Vontade. Eis o exercício para o Cristão em sua vida diária. Muitos de nós buscam fazer grandes obras  para Deus, no entanto, o ordinário com Amor já nos exercitará na busca da Santidade. A isso somos chamados. São João da Cruz novamente, vai nos dizer que o que “Deus pretende é nos fazer deuses por participação”. Note-se por PARTICIPAÇÃO.  Só Ele é Deus por natureza. Devemos deixar a Graça de Deus agir em nós através de nossa Oração pessoal e comunitária. Ao frequentar  a Santa Missa, ao grupo que nós fazemos parte na Igreja, e nas situações concretas do dia-a-dia.  Veja o que se diz acima sobretudo quando eu escrevi: Não querer ter gosto em nada!  Sofrer e amar eis a nossa vocação. Quando não sentimos grandes consolos na Oração, aí é que (segundo São João da Cruz na Noite Escura ), devemos rezar com mais empenho! Pois, como diz o Santo, na Subida, “a fé é verdadeira NOITE ESCURA para alma. Aliás, é Noite Escura, por causa do objeto de nossa fé, pois “Deus é um ser inteligível ao intelecto humano, quanto ao meio – já foi citado a fé – e o ponto de partida, que seriam nossos limites e fraquezas. Sobretudo na Quaresma, povo de Deus, vamos exercitar nossa vontade na Oração e na nossa Missão diária.  No início de nossa caminhada, segundo o livro da Noite Escura,  é comum Deus nos dá consolos na Oração, conduzindo-nos(ele compara), como uma mãe com as crianças pequenas. Com o tempo, a mãe tira o peito e começa a dar outros alimentos. Também a põe no chão para caminhar com suas próprias pernas. A criança, a princípio, oferecerá grande resistência, mas é algo necessário. Nossa Igreja está cheia de gente que parou na infância da fé,  e não quer crescer. Deus nos envia como cordeiros no meio de lobos(Mt. 10).  Precisamos crescer, saibamos que o Reino dos Céus, é dos violentos(Mt. 11).


Por: César Augusto


Catholic Nerds - PE


Referências:


Obras Completas de São João da Cruz(Ed. Vozes)


A Bíblia de Jerusalém(Ed. Paullus)


Orações de todos os tempos da Igreja – Prof. Felipe Aquino – Ed. Cleofas

Compartilhar:

0 comentários:

Postar um comentário