20150818

É possível ser cristão e marxista ao mesmo tempo?

karl_marxBom, começo este texto, já avisando que muita gente vai se ofender com ele, não que eu vá sair xingando tudo e todos, jamais faria isso; mas as vezes ao abrir os olhos das pessoas e mostrar uma verdade ou caminho certo, elas preferem se sentir ofendidas, em vez de se consertarem. Mas, porque remeti a fazer este texto? Pelo simples fato de ver muita gente misturando o marxismo com o cristianismo, então aqui iremos investigar: A origem do marxismo, seus pensamentos e seu víeis de atuação, e no decorrer das análises discutir se ele é compatível ou não a religião cristã. E espero de todo o meu coração, que ao final do texto você que não concordou com ele, reflita e pense suas atitudes ou repense o texto, e você que concordou divulgue para amigos, conhecidos, namorados (as), familiares que tem dúvida ou desconhecem sobre o tema, no mais, vamos lá!


Para princípio de conversa, o marxismo, assim como o liberalismo, centrismo, fascismo e outros, são IDEOLOGIAS, e precisamos entender como surgiram as ideologias e com qual propósito. Na idade média, tais correntes ideológicas não existia na boca do povo, existia somente o CRISTIANISMO, o bom e velho evangelho, seja católico (começo e meio da idade média), seja protestante (surgiu no final do meio e no meio da idade média). Isso quer dizer o que? Que o estadista, ao realizar suas escolhas frequentes sobre quais decisões, ações e como guiar o povo, eles buscavam sempre o conselho da igreja, bíblia, ensinamento de teólogos e santos da igreja. Porém, com o movimento iluminista, buscou-se criar um ENDEUSAMENTO da razão humana, e aí surge a ideia chamada: RACIONALISMO. Em poucas palavras para não se desviar, o racionalismo, apesar de ser um nome bonitinho para pensarmos que devemos utilizar a razão, ele nos convidava a usar a pura razão (pura, porque era somente a razão), ao extremo com o objetivo de resolver os problemas políticos da sociedade. Então, buscava-se estudar a sociedade, e usar o excesso da razão para querer resolver tudo, praticamente visando sumir com todos os problemas através de alguma corrente filosófica, criando assim um paraíso na terra. Opa, pera aí, perceba já, a primeira incoerência com a religião cristã: “Praticamente visando sumir com todos os problemas através de alguma corrente filosófica, criando assim um PARAÍSO NA TERRA.” A primeira incoerência surge aí, nós cristãos cremos num paraíso celeste fundado e inaugurado por Nosso Senhor Jesus Cristo, e que a Terra é um mero vale de lágrimas, onde pelo pecado natural é quase impossível ter todas as pessoas em conformidade com o ensinamento de Cristo, o que transformaria a terra num paraíso, portanto isso para nós somente no CÉU. Mas, vamos seguir com a banda tocando e veremos qual influência do racionalismo na ideia marxista.


Como dito parágrafo anterior, o racionalismo veio com uma maneira de enxergarmos o mundo SOMENTE pela razão, e tentarmos resolver tudo calculadamente, como se seres humanos fossem apenas números. E aí, abre-se espaço para as IDEOLOGIAS, ditas e citadas no texto. Então, pelo que percebemos, qual é a função da ideologia? Por vias de raciocínio lógico, podemos compreender que:

1) A moral cristã foi a que moldou o ocidente, não somente no modo de agir, mas no modo de pensar e agir também.


2) O racionalismo criou as ideologias e veio com propósito, de destruir tais conceitos morais, este propósito pode ser chamado TAMBÉM, de pensamento revolucionário.



Então, percebe-se que, algumas ideologias, surgem nada mais nada menos, para quebrar certas visões que os estadistas tem na hora de agir politicamente. Por exemplo, Todo mundo conhece a fala de Maquiavel: “Os fins justificam os meios”, pode parecer uma boa frase, mas se você parar pra pensar, eu posso legitimar que o estado MATE alguém, justamente com essa frase, basta eu dizer que o meio (matar alguém), é justificado por um fim melhor, ou seja, algo TOTALMENTE CONTRÁRIO A RELIGIÃO CRISTÃ, pois, defendemos a dignidade de TODA vida humana.


Mas, e como surge o marxismo?


No período da primeira revolução industrial, a condição de trabalho apresentada nas fábricas era muito ruim, a ponto do homem perder a sua dignidade para tentar sobreviver. Com essas condições, o filósofo Karl Marx, juntamente com Engels, fizeram umas obras, dentre elas: O capital e O manifesto comunista. A primeira, servia justamente para mostrar, a condição de exploração e miséria que os trabalhadores estavam envolvidos. A segunda, era a criação do socialismo científico, no qual consistia num convite aos trabalhadores do mundo todo a se unirem, e fazerem a revolução contra os capitalistas donos de empresas. Marx, acreditava em duas coisas: Ou o capitalismo vai colapsar sozinho, ou as massas irão se revoltar mediante tamanha exploração de trabalho. E como Marx vai incitar as massas a se revoltarem? Usando o conceito de LUTA DE CLASSES. A luta de classes, consiste na batalha (no sentido social), entre duas classes, uma mais favorecida e outra menos favorecida. Pronto, talvez, na condição da primeira revolução e início da ideologia liberal, as condições de fato fossem ruins (a igreja se posicionou firme sobre tais condições, ver tópico sobre a doutrina social da igreja), mas, o que ocorreu é que, nenhum dos dois pontos citados por Marx de fato ocorreram, com exceção da Rússia.


Então, os marxistas de carteirinha da época, quebraram a cabeça e criaram outros métodos de incitar a luta de classes. Por exemplo, Lênin, falava muito bem do movimento feminista, assim como Marx o considerava necessário para a revolução. Mas, qual o sentido do movimento naquela época em específico? Sabemos que, nesse contexto do século 18-19, as mulheres brigavam pela conquista de alguns direitos na sociedade, isso é verdade, mas inspirado por essa maré de mudança, o movimento feminista surge caracterizando-se sobre esse viés de mudança e se considerando um movimento paternalista das mulheres. Mas, o que elas queriam mesmo?


Ao pegar algumas frases das condutoras e filosofas do movimento, percebemos a tamanha contradição do movimento para com a ideologia cristã:
“Homens que são acusados injustamente de estupro podem, às vezes, aprender com essa experiência” [Catherine Comins]


“Todo ato sexual, e mesmo o sexo consentido entre um casal no matrimônio, é um ato de violência perpetuado contra a mulher” [Catherine MacKinnon]


Basta apenas estas duas frases, pra percebermos qual a real intenção do movimento, ou lembrar ainda da frase atual da Linda Gordon: “A família nuclear deve ser destruída ... Seja qual for o seu sentido último, o desmembramento das famílias agora é um processo objetivamente revolucionária.Tanto a família, quanto o respeito ao próximo, quanto o matrimônio e o ato sexual, para o cristianismo e os ensinamentos da Igreja católica, são totalmente respaldáveis, e praticáveis, nas conformidades do matrimônio e da vida em sociedade, além é claro da estrutura familiar que é citada na bíblia por São Paulo:

As mulheres sejam submissas a seus maridos, como ao Senhor, pois o marido é o chefe da mulher, como Cristo é o chefe da Igreja, seu corpo, da qual ele é o Salvador. Ora, assim como a Igreja é submissa a Cristo, assim também o sejam em tudo as mulheres a seus maridos. Maridos, amai as vossas mulheres, como Cristo amou a Igreja e se entregou por ela, para santificá-la, purificando-a pela água do batismo com a palavra, para apresentá-la a si mesmo toda gloriosa, sem mácula, sem ruga, sem qualquer outro defeito semelhante, mas santa e irrepreensível. Assim os maridos devem amar as suas mulheres, como a seu próprio corpo. Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo.” (Efésios, 5, 22-28).

Caso você queira saber a doutrina que a Igreja tem para com o tratamento com as nossas mulheres, ver Mulieris Dignitatem  e Doutrina Social da Igreja sobre as mulheres.


Qualquer movimento atrelado as ideologias marxistas, qualquer ideia irá sempre tocar no ponto da luta de classes, e se você parar pra pensar, a luta de classes atual, nada mais é que a incitação da INVEJA perante o outro. A maioria dos marxistas, pegam pessoas ou classes da sociedade, que são menos favorecidas e em vez de buscar dar alguma dignidade a eles (como a igreja faz), procuram incitar a inveja dentre estes grupos. A bíblia e o cristianismo, deixam bem claro que marido e mulher tem certas diferenças físicas e psicológicas e cada um deve atuar perante o seu escopo social, não um querer invadir o espaço do outro ou não permitir.


Então, o que podemos tirar disso? O marxismo, ou muitas das ideologias, pela sua raiz (racionalismo), não estão de acordo com a religião cristã, no entanto, a igreja CONDENA o socialismo científico (ver decreto do papa Pio XII), justamente por pregar o ateísmo puro, sendo passível de excomunhão para seus apoiadores, diferenciando assim de outras ideologias existentes, que propicia a existência da religião cristã e de suas igrejas dentro do território nacional.Muita gente, perante este texto vai pensar: Mas se eu não curto idéias de outras ideologias, o que eu vou fazer? A questão é que, a falsa dicotomia de que só existem dois lados lutando pelo bem da humanidade, é ESTRITAMENTE FALSA, existe uma terceira saída, caso você não curta outra ideia, que é simplesmente pregar o evangelho. Mostre as pessoas o verdadeiro cristianismo, com palavras, exemplos, mude o coração delas, e o pensamento irá mudar facilmente. Então amigos, dada a nossa argumentação e explanação dos fatos, e a nossa conclusão, espero que você ao ter chegado até aqui embaixo, se estiver apoiando erroneamente estas idéias, reflitam e busquem a entrar no caminho certo da Luz e da Verdade, e se tu concordou e conhece alguém que tem este dilema na vida e não sabe, compartilhe, ajude a iluminar o caminho de uma pessoa a não ir para o lado errado, no mais que Deus abençoe vocês e que Maria vos guie! Amém!


Por: Felipe Oliveira Ramos

Catholic Nerds/Defesa Katholika
Compartilhar:

Um comentário: